Seja um cidadão consciente você também.

Mostra sua força Brasil.

E enfim estamos nele. Chegamos naquele momento onde todo mundo sabe o que é melhor, sabe o que deve ser feito e planejado. Todos somos “técnicos” e “especialistas” no assunto. Alguns são conservadores e ditam pelo mesmo de sempre, pois é nele que as coisas têm acontecido. Outros mais radicais buscam a mudança, inovação sem medo algum, se jogam em novas palavras e jeitos novos de se dizer o mesmo de sempre. Alguns outros mais cautelosos procuraram estudar afinco, saber detalhes, ficar procurando “pelo em ovo” e no fim, deixar passar tudo em branco e apenas se queixando tempo depois. Pois é, e assim caminhamos para mais um pleito.

Passamos pelo tão fatídico dia da eleição. No último dia 05 de Outubro e hoje no dia 26, acompanhamos mais uma “festa da democracia” brasileira. Nessa eleição me senti muito mais maduro na escolha do meu voto, senti que agi de plena consciência sem partir da opinião de terceiros, não me deixei ser coagido, seja por parentes, amigos, conhecidos, religiosos, etc. Foi uma questão de pura e total escolha minha e apenas minha. Coisa que deveria ser feita naturalmente, mas você brasileiro como eu, sabe que muitas vezes não é isso que fazemos. Nos deixamos levar, somos influenciados e coagidos por outras pessoas muitas vezes sem ao menos perceber, e quando acordamos já tarde demais. Me senti assim não última eleição municipal em 2012. Semanas após a votação fiquei avaliando os candidatos em que votei e cheguei a conclusão que me identifiquei apenas com as ideias de um candidato “então porque raios votou nos outros?” além de citados os motivos acima, acredito que fiz de maneira inconsciente a transferência de responsabilidade a outros. Mostrando que se meu voto fosse errado o voto de outras milhares de pessoas que também votaram no mesmo candidato também haveria sido errado e repreensões seriam evitadas. Eu sei, louco não é?

Ao longo do tempo aprendi a ser observador e ficar atento a maneira com que as pessoas expressam suas opiniões, e o que falei a pouco é a mais pura realidade brasileira. Nós cidadãos, nos deixamos levar muitas vezes por candidatos pomposos que falam bem, prometem mundos e fundos, por parentes e amigos que se identificam com certos candidatos e pensamos: “Se fulano vota nele é porque ele realmente deve ser bom”. Eu pensei assim por algum tempo, e vejo o quão isso foi prejudicial ao meu voto, a minha escolha e a minha cidadania. Não foi algo simples, perceber que em alguns casos eu praticamente havia jogado meu voto fora, mas felizmente eu percebi o quão equivocado fui, o quão alienado fui.

Depois disso tudo cheguei a conclusão que, se eu, possuindo acesso a informação, tenho capacidade de buscar essa informação muito mais fácil do que pessoas que vivem nas regiões mais isoladas e carentes do Brasil, ainda sim, mesmo tendo todo esse acesso, votei de maneira inconsciente, imagina as pessoas que não possuem esse acesso? O quão manipuláveis elas são e o quanto elas fazem do seu voto, uma moeda de troca totalmente desvalorizada. É uma dura realidade de um país que sonha com melhorias e mudanças. Um país com pessoas sofridas, que se dedicam ao máximo pelos seus, um país que esperava mais dos seus representantes.

Infelizmente essa uma realidade que demorará anos e anos para ser mudada, se é que um dia vai ser mudada. Mas, como bom brasileiro, não perco a esperança de um futuro melhor, de uma mudança maior e significativa. Por enquanto essa “utopia política” fica nos sonhos, no momento fica a iniciativa de buscar dentre as opções o melhor que temos, e assim, esperar e principalmente cobrar (que é outro detalhe que nós brasileiros não fazemos) os nossos representantes. Pois política por si só, não é apenas os engravatados que fazem, todos nós fazemos, e por assim ser, nós devemos buscar as mudanças e não esperá-las sentados enquanto as coisas acontecem em nossa volta.

Pois é, eleições são assim, complicadas, difíceis de entender, difíceis de serem interpretadas de uma forma clara por todos, mas será que deveria continuar a ser assim?
Nesse segundo turno das eleições presidências, que possamos ter maior consciência da nossa responsabilidade enquanto cidadãos dessa nação e buscar sempre o melhor para nós, nossa família e nossos semelhantes, se é de um Brasil justo que estamos atrás essa é a hora de tentá-lo fazer ser realidade, hoje, amanhã e cada dia mais.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s